As Novas Tecnologias Sustentáveis que Quebram Paradigmas

Primeiro: o que é um paradigma? É um modelo ou padrão a ser seguido; são normas desenvolvidas, estipulando limites e ações para atuarem sobre determinados assuntos. Agora: vivemos, hoje, dentro de um paradigma?

As tecnologias sustentáveis nos mostram que sim, pois a questão primária, agora, não é mais encontrar soluções econômicas, no âmbito financeiro e do uso de recursos naturais, mas sim aderir efetivamente o modelo sustentável em nossas vidas, com as atitudes necessárias e implementação das tecnologias e soluções já disponíveis no mercado. Ou seja, é abandonar a cultura da abundância, além de continuar trabalhando no desenvolvimento das tecnologias sustentáveis.

Para se ter uma noção, as edificações que temos nos grandes centros urbanos do país – comerciais, residenciais ou públicas – são responsáveis pelo maior consumo de água potável. E como o uso da água potável na descarga, por exemplo, dialoga com o tempo atual e a sustentabilidade? Não são parte do paradigma que trava nosso progresso ao futuro?

É possível captar a água da chuva para tratar e reutilizar, instalar as torneiras que diminuem a vazão de água e as descargas inteligentes, que gastam em média até 40% menos água, em relação a uma construção comum, e mais uma inovação: o tratamento de águas negras para reuso, feito por oxidação – mais uma solução para a questão hídrica.

As construções ‘’inteligentes’’ ou ‘’verdes’’ são premiadas, estimulando a adesão aos modelos sustentáveis, tendo reconhecimento, além de terem a valorização no mercado imobiliário. No Brasil, a entidade que concede as certificações (LEED – Leadership in Energy and Environmental Design) de sustentabilidade é o GBC – Green Building Council.

O momento que temos hoje é de integrar tanto as medidas de curto prazo, como evitar o desperdício de água e fazer o seu reaproveitamento, quanto as medidas de longo prazo, que seriam as grandes mudanças de base, mudanças que vão sendo implementadas com os anos. Mas a conscientização é a grande chave dessas mudanças: ela mobiliza, alinha a atuação de um indivíduo ou grupos, leva a questão para as políticas públicas (ministérios e agências reguladoras) e mostra-nos o caminho a ser seguido para um futuro melhor e sustentável.

Leia sobre como vários países implementaram políticas hídricas para se tornarem autossuficientes: Como os Países e suas Grandes Cidades Gerenciam sua Água

 

Fontes:
Significados
Condomínios Verdes

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *