Os mais Graves Acidentes Causados ao Meio Ambiente

Vazamentos de óleo, rompimento de barragens, acidentes em usinas nucleares, contaminação por despejos impróprios de indústrias, incêndios de vilarejos, animais e seres humanos prejudicados, omissão de fatos e isenção de responsabilidade: são o resultado, mediados por falha humana e negligência, que compõe o histórico dos mais graves acidentes ao meio ambiente ao longo do século XX, perpetuando para o novo e atual milênio.

1945 – Bombas de Hiroshima e Nagasaki

A destruição causada pelas bombas matou mais de 200 mil japoneses e, no raio de um quilômetro do centro da explosão, quase todo tipo de vida foi exterminado, biológica e animal.

1954 – Minamata

Na baía de Minamata, no Japão, foram despejados mercúrio e outros metais pesados por uma fábrica de produtos químicos. As pessoas se alimentavam dos peixes da região e utilizavam a água, sem saber que estava perigosamente contaminada. Os animais começaram a sofrer e apresentar comportamentos estranhos e, em 1956, a população da região passava a ter as mesmas reações: convulsões e perda ou descontrole das funções motoras. Os bebês nasciam com graves deformidades que o incapacitariam pelo resto de suas vidas.

1976 – Desastre de Seveso

O superaquecimento de um reator, o comando de resfriamento manual e zero pessoas para operá-lo na usina naquele dia: uma nuvem de dioxina, substância nociva à saúde, pairou sobre a cidade de Seveso, Itália, causando sérios problemas ao meio ambiente e a seus habitantes. Problemas cardíacos, casos de morte por leucemia, tumores cerebrais, doenças de pele, são apenas alguns dos acometimentos à saúde da população da Seveso.

1980 – Cubatão

A cidade, no estado de São Paulo, ficou conhecida pelo nome Vale da Morte. Considerada uma das cidades mais poluídas do mundo, pela ONU na época, era o espaço onde 23 empresas atuavam, emitindo 30 mil toneladas de poluentes, por mês, na atmosfera. O fenômeno da chuva ácida era sentido na pele pelos moradores, além de problemas respiratórios, água da região contaminada por metais pesados e um ar tão poluído que mal podia se ver algo além da fumaça.

1984 – Vazamento em Bhopal

Uma fábrica de pesticidas causou o que é considerado o maior acidente industrial do mundo, na Índia. Falta de manutenção, equipe operacional terceirizada, mal treinada e operando em número reduzido após corte de gastos, estrutura má projetada e negligência: os principais motivos que ocasionaram no vazamento de 40 toneladas do gás isocianato de metila, uma nuvem letal que matou mais de 8 mil pessoas.

Os responsáveis fugiram. As pessoas, na madrugada do dia 3 de dezembro de 1984, saíam de suas casas sem saber porque estavam tendo falta de ar, sentindo insuportável ardência nos olhos e na pele e vomitando. O caos se instalou quando se presenciava as pessoas tendo convulsões e morrendo em seguida. Doenças crônicas acompanhariam as gerações seguintes.

1986 – Chernobyl

Considerado o pior acidente nuclear da história, a explosão do reator 4 na usina de Chernobyl, Ucrânia (antes parte da União Soviética), contaminou a atmosfera e um vasto território, com todas as suas formas de vida, inclusive os seres humanos, decorrendo em consequências graves para sua saúde.

A explosão decorreu por conta do sistema de resfriamento que parou de funcionar, ocasionando no superaquecimento do núcleo, que rompeu o teto do reator e espalhou pelo ar grandes quantidades de material tóxico e radioativo.

Houve a evacuação da área, mas não imediata. Toda a área em volta do reator e comunidades próximas foram abandonadas. Doenças e mortes pela radiação apareceriam depois na população, em exceção daqueles expostos no local da usina, como bombeiros e repórteres, que foram as primeiras vítimas fatais. Nuvens de partículas e poeira radioativa foram levadas ao norte da Europa e vários países detectaram uma radioatividade acima do normal.

Pela OMS, estima-se que 4 mil pessoas tenham morrido pela radiação, mas o Instituto de Radiologia de Kiev admite 31 mortos e 50.000 contaminados. O acontecimento impulsionou estudos sobre energia nuclear e a segurança nos processos dentro das usinas. Em decorrência a este episódio, os países, da época, que tinham interesse em implementar usinas nucleares em seu território, abandonaram tais projetos e os que as possuíam, passaram a dar mais atenção, fiscalizando-as.

1987 – Césio 137 – ‘’O Brilho da Morte’’

Em Goiânia, dois jovens catadores de materiais recicláveis encontraram uma cápsula contendo césio-137, um metal radioativo, num prédio abandonado, onde antes funcionava uma clínica de radioterapia. A cápsula seria vendida alguns dias depois a um dono de um ferro-velho, onde foi aberta e revelou o material que tinha dentro: um pó que possuía um brilho azul intenso, causando fascínio a quem o visse.

A família de Devair, dono do ferro-velho, foram os mais prejudicados e os primeiros a apresentar sintomas, como enjoos, tonturas, vômitos e diarreia, primeiramente associados a uma possível intoxicação alimentar, e não à exposição ao material, que rapidamente os levaria à contaminação radioativa. Pessoas da vizinhança também tiveram contato com o césio e foram contaminadas.

Em pouco tempo, morreram 4 pessoas, uma delas a menina Leide das Neves Ferreira, de 6 anos, por ter brincado com o pó azul e depois ter ido lanchar, ingerindo o material. Quem se contaminou com césio, teve bolhas de queimadura na pele, posteriormente câncer na garganta, rins, pulmão, cérebro, esôfago e mama, infartos, hipertensão e diversos problemas de saúde, inclusive psicológicos, como depressão.

1989 – Navio Petroleiro Exxon Valdez

Um vazamento de 36 mil toneladas de petróleo bruto pelas águas do mar do Alasca, faz deste episódio uma das maiores tragédias ecológicas da história. A colisão do navio com um bloco de gelo foi resultado de uma irresponsabilidade: o capitão bebia alcóolicos em sua cabine enquanto havia delegado a tarefa de comando do navio a um suboficial não habilitado à navegação naquele tipo de região.

É incontável o número de animais que morreram. Dentre eles, pássaros, lontras, baleias. Praias foram cobertas pela mancha negra de petróleo, com uma camada de espessura que atingia até 90 centímetros em alguns pontos.

Um acidente parecido com este, ocorreu em 2002, com o navio petroleiro Prestige no mar, perto do noroeste da Espanha. Após uma tempestade, pelo menos 10.200 toneladas de óleo vazaram do navio, antes de seu naufrágio. A mancha negra atingiu 913 de 1.121 quilômetros da costa de Galícia, região com economia baseada na pesca e turismo. Inúmeras espécies de animais marinhos sofreram consequências e cerca de 15 mil aves foram mortas.

2015 – Mariana

O rompimento da barragem de Fundão causou uma grande tragédia para o ecossistema e para as famílias de Mariana, Minas Gerais. Foram liberados 62 milhões de m³ de lama e rejeitos, pertencentes à empresa Samarco.

A barragem estava com capacidade excedida e apresentava vários problemas estruturais. Questões negligenciadas pela empresa. 19 pessoas morreram, toda área se tornou inabitável, todas as famílias tiveram perdas inestimáveis, 11 toneladas de peixe morreram em um mês na região de Minas Gerais e Espírito Santo, 11 espécies do Rio Doce ficaram ameaçadas de extinção, 392 km² de área marinha foram contaminados, entre outras ocorrências, sendo estas as mais graves.

 

Fontes:
Jornal da Band, exibido em 03/06/2011
https://www.unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2017/12/01/principais-desastres-ambientais-no-brasil-e-no-mundo
https://acervo.oglobo.globo.com/fatos-historicos/desastre-de-minamata-crime-ecologico-que-deixou-marcas-por-decadas-no-japao-10102255
https://www.dw.com/pt-br/1976-explosão-provoca-vazamento-de-dioxina-em-seveso/a-871315
https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/12/141203_gas_india_20anos_rp
https://noticias.r7.com/internacional/gas-escapa-de-fabrica-e-mata-8-mil-pessoas-veja-como-foi-tragedia-de-bhopal-03122014
https://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/ucrania-tragedia-na-usina-nuclear-de-chernobyl-completa-30-anos.htm
http://g1.globo.com/goias/noticia/2013/09/maior-acidente-radiologico-do-mundo-cesio-137-completa-26-anos.html
https://www.oei.es/historico/divulgacioncientifica/?Os-efeitos-biologicos-do-acidente
https://www.bbc.com/portuguese/economia/story/2004/01/printable/040129_exxon1rg.shtml
https://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u7895.shtml
https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,desastre-de-mariana-2-anos-em-busca-da-propria-historia-e-de-reparacao,70002072236

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *